Visita no Canil ou Gatil

Visita no Canil ou Gatil hoje em dia

Visita ao Criador é um tema muito polêmico nos dias de hoje.

É recomendado por vários sites, blogs, veterinários e outros agentes envolvidos com cães ou gatos que antes de adquirir um filhote, seja realizada uma visita ao criador.

Muitas pessoas acatam essas recomendações e procuram sempre visitar os canis ou gatis onde desejam adquirir o filhote. E muitas vezes descartam os locais onde a visita não foi permitida.

Fiscalização

A visita a um criador poderá ser uma das formas que a sociedade tem de fiscalizar e identificar pessoas que utilizam a criação de cães para extrair lucro em detrimento de condições péssimas.

Na maioria das vezes essas pessoas são identificadas através de denúncias de outras formas (vizinhos, ex-funcionários, agente públicos, etc.). Geralmente os filhotes vendidos por essas pessoas também acumulam uma série de problemas…

Perigos Envolvidos

É cada vez mais comum que criadores não permitam visitas aos locais da criação. E as razões pode ser várias!

1) Local privado.

Muitos criadores possuem as criações em suas residências. Portanto, trata-se de um local privado. É onde o criador vive com sua família e seus cães.

Muitas vezes os animais vivem soltos, sem estruturas físicas complexas, como quartos individuais, solários, pátios separados, etc.

Portanto não há muito o que ver, a não ser animais andando pela casa do criador. O que o visitante iria conhecer era a casa do criador, seus pertences, sua família, etc…

Esse tipo de criação não é incomum e por si só não significa em nada na qualidade dos cães e nem na qualidade de vida deles.

2) Segurança

Infelizmente vivemos em um país onde a segurança não é o forte de nossa sociedade.

Bandidos fazem contas simples, eles vem quanto pedem por um filhote e multiplicam pela quantidade de animais e pronto! O alvo está identificado.

Histórias de roubos a criadores são cada dia mais comuns. Plantéis inteiros já foram roubado das mãos dos criadores.

Essa violência de nosso dia a dia ajuda a mudar o comportamento dos criadores. Dessa forma, acaba-se preservando a vida de todos, criador, seus familiares e seus animais.

Não é incomum encontrar criadores na web e não conseguir localizar seu endereço físico. Essa é uma das práticas recomendadas para um site de criador.

Se os animais forem de pequeno porte, a segurança torna-se ainda mais importante. Pois é muito mais fácil roubar um bulldog francês, um spitz alemão ou um gato, do que entrar em um criador de pastor alemão, rottweiller ou dogo argentino!

Mesmo a utilização de câmeras não inibe a ação desses meliantes.

O envio de documentos antecipadamente, limitação da quantidade de visitantes, etc podem minimizar o risco, mas a única forma de eliminá-lo e não correr o risco. Afinal, instalar portas giratórios em canis e gatis é inviável e ilógico!!!

3) Saúde

Aglomerações de quaisquer animal (incluindo nós!) geram um risco enorme para eles. Um agente infeccioso pode encontrar um ambiente extremamente propício para se dissipar.

Filhotes são ainda mais frágeis e estão extremamente desprotegido das principais doenças que os afetam. O ciclo de vacinas muitas vezes nem iniciou ou não estão concluídos.

Muitos vírus e bactérias são muito persistentes e podem permanecer no ambiente por muito tempo até que encontre um animal que possa infectar.

Muitas vezes o criador não tem como saber por onde o visitante ou visitantes andaram. Algumas vezes podem ter vindo de outro criador ou podem ter andando em locais públicos de alto risco.

Seria inviável para o criador instalar os mesmos dispositivos sanitários que são utilizados em locais onde a contaminação é levada muito a sério.

Mesmo se um visitante tiver contato com um animal adulto vacinado, esse animal poderá ser vetor e levar o agente infeccioso para uma ninhada ou para outros animais.

Não é raro um criador ter animais convalescendo, animais idosos ou mesmo filhotes. Portanto, por si só, é um ambiente que já exige uma atenção constante do próprio criador e dos hábitos de quem tem contato com os cães.

Algumas doenças podem destruir uma criação ou levar a um sofrimento enorme para os animais e consequentemente para o criador.

Portanto, manter o ambiente sem riscos de contaminações externas é fundamental para manter a saúde dos animais em condições.

Explicando

Cabe ao criador explicar de forma educada e clara os motivos pelos quais não aceita visita.

Publicar em uma rede social que “não é um zoológico” não é uma das formas mais simpáticas para falar com as pessoas. Nada de cometer aqueles erros que já listamos aqui e fazer longos desabafos sobre isso.

Pessoas esclarecidas compreendem com facilidade os pontos elencados. Se a pessoa não quiser compreender, o velho e clássico: “Desculpe, mas não poderemos permitir visitas. Se você se sentir mais confortável, poderá escolher outro criador que as aceite.”

Você pode explicar em sua rede social ou, melhor ainda, em seu site a “Política de Visitas”. Dessa forma poderá enviar o link para uma pessoa que solicitou visitá-lo.

Tecnologias

As tecnologias presentes no dia a dia nos permite resolver o problema de forma muito fácil e simples.

Caso um visitante solicite uma visita, você poderá fazer uma conferência pela web, em vídeo, e mostrar as instalações, os cães e a ninhada.

Outra alternativa é fazer fotos ou vídeos das instalações. Dessa forma, para um eventual cliente que solicite, já poderá conhecer as instalações de forma rápida.

Em caso de avanço nas negociações, seria possível efetuar uma transmissão ao vivo com o cliente para mostrar o local, se for o caso.

Essas tecnologias permitem que o criador não publique seu endereço e conseguirá demonstrar ao interessado o que ele deseja visualizar.

Em caso de visitas

Alguns criadores, por outro lado, usam a visitação como uma forte ferramenta de vendas. Ainda mais se os animais forem de guarda ou de grande porte.

Mesmo assim, o criador deve tomar os cuidados para evitar que os 3 itens principais sejam atendidos:

– Privacidade

Separe um local para receber as visitas. Se for possível um local onde o cliente veja os cães, será melhor. Caso não seja possível, leve-o a um escritório ou local apropriado.

– Segurança

Procure investigar ao máximo sobre as pessoas que desejam visitá-lo.
As redes sociais ajudam muito nesse quesito. É possível também colocar o nome do interessado no Google e verificar o que ele traz.

– Saúde

Exija que os visitantes lavem as mãos assim que chegarem. Mas seja educado nessa solicitação.

Evite que ele tenha contato com os filhotes, caso o ciclo de vacinação não esteja completo. Se for o caso, prepare uma área onde os filhotes possam brincar sem contato com os clientes.

Se possível, evite que o visitante fique andando pelas instalações.

Você pode preparar um pano molhado com água sanitária ou qualquer produto desinfetante para que o visitante pise sobre ele.

O cuidado com a saúde deve ser sempre levado muito a sério!

Conclusão

A visitação é uma decisão que deve ser tomada caso a caso e depende exclusivamente de cada criador.

Para criadores de animais de pequeno porte, essa possibilidade é cada dia mais rara. E não é nem indicada que a visitação seja permitida.

Criadores de animais de grande porte ainda tem mais o hábito de receber visitantes, mas isso pode mudar.

As tecnologias estão aí para ajudar os criadores e os interessados. Cabe ao criador saber usá-las e se comunicar bem com seus clientes!