O Futuro dos Programas de Criadores

Passado ao Presente dos Programas de Criadores

Há alguns anos os chamados Programas de Criadores, promovidos pelas marcas de rações, eram realmente generosos com os criadores que participavam deles.

Além do investimento realizado pelas fábricas de rações via fornecimento de ração, havia ainda o fornecimento de material de manejo. Desde toalhas, recipientes para guardar ração, aventais, etc.

Esse apoio era forte, frequente e seguro.

Algumas fábricas se notabilizam por terem programas de criadores mais ativos. A Royal Canin, Premier Pet, Farmina e Pro Plan são as mais conhecidas.

Com o passar dos anos, entretanto, os programas foram se modificando ao longo do tempo. O investimento realizado pelas fábricas foi reduzindo a medida em que novas marcas iam entrando no mercado.

Realidade Atual

Alguns programas se transformaram em programas de pontuação. Outros restringiram ou mesmo acabaram com o patrocínio. O material de manejo se tornou raro e difícil conseguir.

Outro fator que foi percebido foi a dificuldade de uma resposta às solicitações dos criadores.

Bonificações foram prometidas e muitas vezes não chegaram aos criadores. Os kit filhotes solicitados, na maioria das vezes, não chegam quando solicitados.

O canal de contato com a fábrica em muitos casos é difícil, pois quem geralmente quem cuida da gestão local do programa de criador é a distribuidora ou um responsável local.

Ou seja, a percepção é que cada vez menos as marcas de ração estão investindo nos criadores.

Entretanto, a maioria das grandes marcas de ração reconhece que o criador, além de ser um mercado promissor, pois é responsável por parte significativa da venda de rações super premium, é um importante influenciador na aquisição de novos clientes finais.

Justificativa

O grande desafio para as marcas é justificar o investimento feito em um criador e nos programas de criadores em geral.

Hoje em dia é necessário que uma ação realizada tenha indicadores de desempenho. Ou seja, se for investido um saco de ração para um criador, esse saco de ração deve retornar de alguma forma! Essa é a premissa básica de qualquer investimento, seja de produção, marketing ou operação.

Dificuldades dos Atuais Programas de Criadores

Algumas marcas solicitam que os criadores preencham formulários com as informações dos proprietários de seus filhotes, entretanto esses formulários, quando preenchidos, nem sempre chegam as fábricas. E em alguns casos elas nem sabem o que fazer com eles.

Outro problema que as fábricas enfrentam é a reputação do criador. É difícil para uma marca de ração diferenciar um criador sério que tem muitos filhotes de uma fábrica.

Isso pode trazer uma reputação ruim para a marca quando o canil parceiro aparece nos jornais como um local de exploração de animais. Ou quando vários proprietários reclamam do criador e, por consequência, não dão valor a indicação da ração dada.

Mesmo as bonificações por exibição em revistas ou mesmo em sites não é mensurada.

Quando falamos em sites, nem as dimensões são em pixel’s, unidade de medida básica para imagens na web, são informada pelas fábricas. E geralmente as logos estão lá embaixo, sem destaque nenhum para alguém que está investindo de fato na criação.

A grande maioria, senão todas, nem avaliam quantos cliques cada logo recebe, portanto, como saber se aquele saco de ração bonificado deu resultado? Aquela logo numa revista que pouca gente lê, e que foi investido um o valor de um saco de ração, realmente volta? As fábricas não sabem ou tem dificuldades em mensurar isso!

Nem mesmo a atuação em mídias como redes sociais tem um retorno mais fácil de mensuração. Os próprios anunciantes já estão percebendo que likes no Facebook não significam muito. Afinal o que significa é cliente comprando. Como converter o like em compra?

Mas o que deve ser monitorado?

É fundamental que cada criador que participa dos programas de criadores tenha seus indicadores individuais de desempenho. Quantos novos potenciais clientes (lead´s) ou clientes de fato cada um gera, quem são eles? Onde estão comprando? Qual a reputação de cada criador? Enfim, somente dessa forma é possível justificar o investimento feito em cada criador.

Mas como obter essas informações?

Hoje em dia vivemos num mundo com muito mais informações. Já é possível ter esses dados de ponta a ponta. Ou seja, é possível saber quantos acessos cada criador tem em suas plataformas, quantos contatos recebem, quem são os contatos, quantos cães cada um possui, como é o desempenho das rações com cada raça, quem são os clientes, onde eles estão e onde compram a ração.

Com as informações nas mãos, fica fácil para os responsáveis pelos programas de criadores justificarem os investimentos feitos.

Futuro promissor?

Mas enquanto os números não forem identificados e apontados, a tendência é que os atuais programas de criadores passem a ser somente um desconto por volume de compra.

Entretanto o futuro pode ser muito promissor. Mensurando o resultado de forma eficiente, a fábrica poderá ser de fato um parceiro importante para o criador e o criador será, de fato, um apoiador da marca.

Eduardo Antunes

CEO do SistemaPET, Criador desde 1997. Bacharel de TI pela UFPEL 1998. Especialista em Marketing Digital.