domingo, junho 23, 2024
SistemaPet TV

Cuidados essenciais que devemos ter com cães idosos

Tutores devem estar ainda mais atentos nessa fase. Escolher um veterinário de confiança e cuidar da alimentação são fundamentais

A velhice é uma fase em que o metabolismo começa a desacelerar, as células vão se degenerando e o corpo todo fica mais frágil. Esse é um processo comum entre humanos e animais. Por isso, assim como fazemos com os idosos da nossa família, os pets que dividem a vida conosco precisam de mais cuidados nessa fase da vida.

A idade em que o envelhecimento começa varia dependendo da raça e do porte do animal, além de condições específicas de saúde de cada um. Mas, de maneira geral, podemos dizer que as consultas veterinárias de rotina ficam ainda mais importantes por volta dos 7 anos, quando a “melhor idade” costuma começar.

Se o animal mantém, desde sempre, hábitos de vida saudáveis, como uma alimentação balanceada e adequada e a prática de exercícios físicos regulares, é bem provável que ele viva essa fase com mais qualidade de vida. Mesmo assim, os cuidados vão precisar ser reforçados.

Agora, se o animal está acima do peso, não passeia regularmente ou já convive com algum problema de saúde crônico, essa fase vai exigir muito cuidado. De toda forma, a lista abaixo é um bom guia.

Fique atento aos sinais

Os sinais de envelhecimento dos cães são parecidos com os dos adultos, incluindo pelos brancos, menor disposição para brincadeiras e passeios e mais tempo de sono. Eles são normais, mas indicam que o seu amigo já está ficando senil e que é hora de ficar mais atento a qualquer desconforto. 

Cuide do conforto térmico

Além de eventuais dores e sintomas que podem indicar problemas de saúde típicos dessa fase da vida, observe também se o seu cão não demonstra estar com frio ou calor, já que eles tendem a ficar mais sensíveis à temperatura na velhice. Deixar uma cobertinha sempre à disposição do animal é uma boa ideia

Facilite a locomoção

Não é incomum que os cachorros comecem a apresentar dificuldades de locomoção na velhice. Por isso, o tutor deve ficar atento para fazer as adaptações necessárias nos ambientes que os animais mais frequentam, especialmente no acesso à caminha e aos potes de ração e água. 

Respeite o novo ritmo

Os cães idosos também precisam de passeios e brincadeiras, mas eles podem se cansar mais rápido, e esse novo ritmo precisa ser respeitado. Forçar o animal a ultrapassar os limites pode fazer com que ele se machuque. 

Preste atenção também se ele não demonstra estar estressado na convivência com outros animais. Lembre-se de que o seu cachorro agora é um senhor e muitos preferem passar mais tempo quietos e em silêncio, igual ao seu avô.

Forneça alimentação adequada

Existe um motivo pelo qual a maioria das rações contém especificações por faixa etária: os animais têm necessidades nutricionais diferentes ao longo da vida. Por isso, vale começar a comprar uma ração para idosos ao notar que o seu cão está chegando nessa fase.


Fique especialmente atento na fase de transição entre uma ração e outra, pois também é comum que os cães fiquem com o paladar mais seletivo à medida que envelhecem. Se ele não se adaptar, talvez seja o caso de tentar outra marca ou sabor.

Reforce as idas ao veterinário

Todo cachorro deve ir ao veterinário pelo menos uma vez ao ano, mas os idosos precisam ir mais vezes, pelo menos a cada seis meses para um check up. Isso é importante porque o sucesso do tratamento da maioria das doenças caninas depende de um diagnóstico precoce.

Se nessa fase você ainda não tiver um veterinário de confiança, arranje um. De preferência um profissional para o qual você possa ligar ou enviar mensagens caso tenha alguma dúvida em relação ao comportamento do animal. Vocês devem trabalhar juntos para que o seu cãozinho tenha a melhor qualidade de vida possível.

Se informe sobre as principais doenças

A informação é um instrumento potente de cuidado. Portanto, vale pesquisar sobre as doenças mais comuns nos cachorros da mesma raça e porte do seu durante a velhice. Não é para se alarmar, mas conhecer os principais riscos te ajuda a identificar melhor qualquer sintoma e buscar ajuda o quanto antes.