Colaborador Eficiente na Criação

O Brasil de 2019 enfrenta um grave problema de emprego. São mais de 12 milhões de desempregados. Entretanto, efetuar a contratação de um colaborador para auxiliar na criação pode ser uma tarefa muito difícil.

Além disso é necessário que esse colaborador tenha algumas características que o tornem mais apto para os serviços a serem desempenhados.

Características Desejadas

Ao contratar um colaborador, o primeiro aspecto e muito importante é que ele de fato goste dos animais e se preocupe com eles. Obviamente é possível contratar uma colaborador que não se importe muito isso e somente execute o trabalho. Entretanto quando há uma relação mais estreita, a tendência é que o nível de atenção aumente.

Outra características que é muito importante é a atenção aos detalhes. É importante que o colaborador consiga auxiliar o criador a perceber mudanças de comportamento e avisar ao criador. Que faça as atividades atento aos detalhes, garantam a saúde e bem estar dos cães. Principalmente no que tange a higiene dos animais e do local ou aspectos da gestão, se for o caso.

A disposição é outra característica importante. Colaboradores devem ter suas atividades muito bem claras e muitas vezes eles poderão ter de trabalhar sem supervisão constante. Logo, ele deve ter a atenção às responsabilidades e objetivos a cumprir.

Aspectos Técnicos

Embora seja pouco comum, cabe ao criador capacitar os colaboradores que trabalham diretamente com os animais para que o manejo seja adequado.

Esse treinamento pode ser realizado pelo Médico Veterinário Responsável para alguns itens e outros pelo próprio criador. O ideal é que esse material esteja devidamente estruturado para que possa ser replicado se necessário.

Na capacitação deve abortar aspectos de administração de medicação, produtos utilizados na limpeza, equipamentos necessários no trabalho, bem estar animal, etc.

Infelizmente existem poucos cursos online ou presencial focados na capacitação de colaboradores para criadores de animais de pequeno porte.

Investimento

Os valores pago a profissionais que tratam da criação varia de local para local. Como base, geralmente, não passa de dois salários mínimos.

Entretanto alguns aspectos devem ser observados, como gastos com horas extras e o ambiente de trabalho. Sabemos que em alguns casos pode ser necessário que o colaborar faça alguma hora extra em momentos extraordinários (nascimento e cuidado de ninhadas, necessidade de ausência do criador, etc).

Os valores de eventuais rescisões também devem estar previstas, pois se isso for necessário, o criador ter o recurso para pagá-las.

Justiça

Não é incomum que trabalhadores desse segmento recorram à Justiça em caso de demissão. Embora a prática tenha sido extremamente reduzida nos últimos anos devido ao risco que o ex-colaborador corre em caso de derrota, ainda cabe ao criador observar a legislação trabalhista.

Recomenda-se que seja seguida a legislação de forma mais rígida possível, embora isso possa ser ruim tanto para o colaborador quanto para o empregador. Nesses casos quanto menos houver divergências, melhor. Portanto, procure regularizar a criação da melhor forma e ter os colaboradores regularizados.

Caso não seja disponibilizado Equipamento de Proteção Individual adequados, o colaborador poderá alegar insalubridade. Caso não tenha um apontamento de horas, poderá alegar horas extras. Enfim, esteja ciente das obrigações que deve prover ao colaborador.

Rotina do Colaborador

Procure estabelecer atividades de rotina o mais cedo possível. Informe as atividades diárias e semanais de forma clara e o resultado esperado ao final de cada uma das atividades.

Deixe sempre a orientação clara e, preferencialmente, por escrito. Dessa forma o colaborador irá reforçar as atividades até que elas fiquem automáticas.

Nas orientações deixe sempre o momento para apontar as ocorrências, quando surgirem. Um problema na infra-estrutura, um comportamento diferente nos animais, falta de algum produto, etc.

Quanto Vale um bom Colaborador

Um ótimo colaborador pode auxiliar de sobremaneira o criador. Pode dar a ele além de uma mão a mais no trabalho do dia a dia, pode dar uma tranquilidade e mais tempo para planejamento e mesmo descanso, quando necessário.

Formar um bom colaborador pode levar tempo e investimento e nem sempre o resultado pode ser bom.

Na maioria das vezes o criador tem um ou dois colaboradores, logo, a relação naturalmente tende a se estreitar mais. Mas o criador não pode deixar de exigir o resultado do trabalho. Com isso o colaborador tenderá a sempre focar em dar o resultado esperado.

Caso o criador detecte que uma nova contratação não dará o resultado esperado, o ideal é que procure por uma troca o mais rapidamente possível. Por outro lado, se perceber que o colaborador tem um bom futuro, deve ser incentivado para continuar compromissado.

Ter uma equipe que ajuda o criador é a melhor forma de melhora a qualidade de vida de todos, dos animais e das pessoas envolvidas.

Eduardo Antunes

CEO do SistemaPET, Criador desde 1997. Bacharel de TI pela UFPEL 1998. Especialista em Marketing Digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *