Como Escolher a Raça a Criar

Escolher a Raça a criar é algo que deve ser feito com muito cuidado e avaliando vários critérios.
A grande maioria dos criadores escolhem usando basicamente 1 único critério, entretanto, a avalição ampla permitirá que seja feita uma escolha mais adequada.
Vamos abordar os aspectos que irão permitir ao criador elencar as raças candidatas e serem criadas e quais devem ser descartadas.

Afinidade

Olhando a história da grande maioria dos criadores, ela geralmente começa com o contato com um exemplar da raça através de um amigo. Logo em seguida chega o primeiro exemplar, geralmente tecnicamente de baixa qualidade e em seguida começa a saga do criador com estudo e ampliação do plantel.

Como é possível avaliar, não é nenhum problema em usar esse critério, pois grandes e famosos criadores começaram assim e obtiveram sucesso em suas criações.

Por outro lado, muitos criadores, mesmo com essa abordagem, não seguiram em frente, pois outros aspectos impactaram fortemente e obrigaram o encerramento das atividades.

Obviamente o criador deve procurar uma raça que seja do seu agrado, tanto na estética quanto no comportamento e procurar aprender e estudar o padrão e possíveis doenças relacionadas a essa raça. Acordar todo o dia para tratar os animais sem uma relação de carinho e admiração, não irá fazer bem para ninguém.

Logo, procure por um temperamento e estética que sejam adequados ao seu gosto e que tenha desejo de criar.

Espaço Disponível

Criar cães necessita de espaço. Até é possível ter poucos animais de raças pequenas em um apartamento. Entretanto, de uma forma geral, espaços maiores são necessários para dar o conforto para todos.

Se o criador ainda não dispõe de um espaço maior, pode avaliar o espaço disponível para iniciar com os primeiros animais. Mas deve sempre ter em mente que a continuidade pode exigir um novo lugar.

Além disso, no local deve ser permitido ter animais em maior quantidade. Muitos animais em um apartamento, ou em regiões centrais pode ser proíbido ou causar inconvenientes que irão gerar problemas.

Já falamos sobre como montar um canil ideal, portanto procure um local com espaço para que isso ocorra.

Mercado

Avaliar o mercado é de extrema importância para a escolha da raça certa. Uma raça com alta demanda, geralmente tem muita oferta e concorrência. Uma raça com baixa demanda, pode ser muito difícil de ser procurada.

Quanto maior a raça, maior tenderá a ser a área atendida. Logo, será necessário resolver aspectos logísticos, como já falamos aqui. De uma forma geral o criador irá atender a mais de um estado do país ou Brasil como um todo.

Raças pequenas, de uma forma geral são vendidas mais regionalmente. Os custos logísticos envolvidos encarecem o filhote para clientes de fora da região.

Ao escolher a raça, Cuidado com raças ou variedades populares ou exóticas, já alertamos sobre esse tema aqui. Imagine se todos quiserem um spitz branco hoje. Até que o criador obtenha suas matrizes e padreadores e começe a ter seus próprios filhotes, poderá demorar tanto que o valor cairá drásticamente.

Custos

Avaliar os custos também é de extrema importância. O quanto consome de ração, como são feitos os acasalamentos e partos, exames necessários, etc. Todos os aspectos que envolvem os custos devem ser avaliados.

Raças que exigem cesárias constantes ou muito cuidado com os filhotes tendem a drenar um importante recurso de tempo e dinheiro do criador. Raças mais rústicas tendem a necessitar de menos investimentos.

Manejo

Algo extremamente importante e que impacta o dia a dia do criador: a forma de manejo.

Cães de algumas raças, convivem bem juntos, outros de outras raças, exigem que fiquem separados para evitar conflitos. Algumas raças necessitam de cuidados com a pelagem, já outras possuem pelagem de fácil trato.

Avalie se a raça costuma exigir gasto de energia alto ou baixo. Se a energia não for gasta com passeios, irá ser gasta com destruição de equipamentos, buracos, brigas, etc.

Raças rústicas, de fácil manejo permitirão ao criador ter mais tempo para outras atividades sem interferir na qualidade de vida dos animais. Por outro lado, a maioria das raças mais rústicas tem menor valor de venda. Portanto, é importante ter equilíbrio para avaliar esse item.

Conclusão

Logo, escolher a raça a ser criada exige muito cuidado e atenção do futuro criador. Antes de se aventurar em montar um plantel, o importante é ter a noção do trabalho, esforço e retorno que isso poderá dar.

Uma das formas de avaliar é, conhecendo o trabalho de criadores das raças em que há o interesse em criar.

Conversando com eles, será possível verificar qual a necessidade de espaço, o esforço no manejo, se há mercado para os filhotes, a necessidade de capital e se, de fato, é essa raça que está no coração do criador.

Outra decisão que o criador deve tomar é quantas raças criar. Para isso escrevemos esse artigo, confira.

Com tudo isso ponderado, a escolha da raça será mais adequada e as chances de sucesso aumentam muito. Com uma divulgação adequada, como a do SistemaPET, o criador com certeza terá sucesso!

Eduardo Antunes

CEO do SistemaPET, Criador desde 1997. Bacharel de TI pela UFPEL 1998. Especialista em Marketing Digital.

Um comentário em “Como Escolher a Raça a Criar

Fechado para comentários.